Câmara

A Câmara de Vereadores realizou na tarde desta terça-feira (27), Audiência Pública para discutir a doação de sangue e o estoque do Hemocentro Regional do Hospital Ferreira Machado, por solicitação do vereador José Carlos (PSDC), que é presidente da Comissão de Doação de Sangue do Legislativo campista. Compuseram a mesa, além de José Carlos, o presidente da Câmara, Marcão Gomes (Rede), a vereadora Josiane Morumbi (PRP), os vereadores Abu (PPS) e Fred Machado (PPS), a diretora do Hemocentro, Sandra Challub e a presidente da Fundação Municipal de Saúde (FMS), Renata Juncá.

Iniciando a audiência, o presidente Marcão Gomes, ressaltou a necessidade da doação. “Ninguém está livre de precisar de uma transfusão de sangue. Ninguém está livre de sofrer um acidente, de passar por uma cirurgia ou por um procedimento médico em que a transfusão seja absolutamente indispensável. Como não existe sangue sintético produzido em laboratórios, quem precisa de transfusão tem de contar com a boa vontade de doadores”, esclareceu.

O vereador José Carlos, presidindo a audiência, agradeceu a presença dos participantes. “Eu sei da dificuldade da locomoção de todos, alguns deixaram afazeres, mas a causa é mais que justa, assim como todas as audiências realizadas nesta Casa de Leis em busca de melhorias. Em relação à dificuldade de arrecadação de sangue do Hemocentro em toda a região, não seria diferente”, concluiu.

A diretora do Hemocentro, Sandra Challub, afirmou que a unidade é centro de referência no estado. “Nossa missão é a excelência em hemoterapia, garantindo o fornecimento de sangue. O Hemocentro abrange uma população de mais de um milhão de duzentas mil pessoas, segundo o IBGE, em uma área muito extensa de quase 13 mil quilômetros quadrados. Atendemos a 15 municípios mais Campos”, explicou.

A presidente da Fundação Municipal de Saúde (FMS), Renata Juncá, esclareceu que a agência transfusional – que é uma unidade para receber e armazenar o sangue - do Hospital Geral de Guarus encerrou atividades por falta de recursos humanos, mas que o serviço será retomado ainda em abril. “É de extrema importância para os pacientes do hospital. Quando existe a agência transfusional há celeridade no processo. É importante fiscalizarmos e divulgarmos. Não é uma normatização simples nem barata, mas trata-se de vida”, disse.

O diretor da Santa Casa de Misericórdia de Campos, Cléber Silva, falou sobre a possibilidade de fazer um centro de captação de sangue na unidade. Ele acredita que o número de pessoas que transitam no hospital poderia facilitar o aumento das doações, auxiliando o Hemocentro. “Somos referência em cirurgia cardíaca e sofremos pela a espera de sangue. Pensamos em aumentar o nível de captação”, disse.

O diretor do Hospital Escola Álvaro Alvim, José Manuel, destacou a necessidade da doação e a importância do trabalho do Hemocentro. “O sangue é emergência, tem que ter para salvar vidas. Temos que brigar para melhorar e para que o Hemocentro não seja transferido para o estado”, afirmou.

Representando o 8º Batalhão da Polícia Militar, tenente José de Almeida, falou da importância da conscientização das pessoas a respeito da doação voluntaria. “Temos feito esse trabalho de divulgar para a tropa e também para nossos familiares. Temos que lutar para que o nosso Hemocentro esteja sempre abastecido”, ressaltou o tenente.

O José Carlos, representante do Moto Clube em São João da Barra, fez uso da palavra e destacou que é doador de sangue desde o ano de 1978. Ele ainda reafirmou a importância da doação de sangue, especialmente diante do risco de acidentes nas estradas. “Sou motociclista e viajo o Brasil inteiro. Me sinto orgulhoso em estar aqui neste momento para falar da importância da doação de sangue”, concluiu.

Diretor da emergência do Hospital Geral de Guarus, o dr. Leonardo, destacou a própria experiência e agradeceu aos doadores. “Como médico de emergência, muitas vezes nos deparamos com situações extremas. Quando tem sangue disponível, o Hemocentro sempre nos atende. Mas às vezes o estoque está baixo. Não podemos ficar com menos sangue do que temos no momento”, disse.

O comandante da Guarda Civil Municipal (GCM), Mariano, informou que disponibilizará as viaturas para a colocação de adesivos para campanha de doação de sangue. “A GCM, assim como a Polícia Militar e Corpo de Bombeiros, é sempre solicitada para que os agentes façam a doação de sangue. É a participação que todas as instituições têm e esse é o nosso papel, diante no nosso efetivo”, relatou.

O vereador Abu, membro da Comissão de Doação de Sangue, falou sobre as campanhas já realizadas com o objetivo de aumentar o número de doadores. “Sempre fui muito envolvido com a doação de sangue. Em um ano de mandato, conseguimos fazer três campanhas de doação, em parceria com o Hemocentro Regional. Já estamos caminhando para a nossa quarta campanha”, ressaltou.

A vereadora Josiane Morumbi parabenizou ao vereador José Carlos pela realização da audiência. “Esse é um grande caminho neste Legislativo. Temos que usar todos os recursos que temos dentro das nossas comissões. Só sabemos a importância real da doação de sangue quando temos alguém da nossa família precisando”, concluiu, dizendo, ainda, que é preciso manter as doações mesmo quando não há pessoas próximas precisando.

O vereador Carlos Canaã relatou a própria experiência, quando precisou receber sangue. “Precisamos falar mais sobre doar sangue. Só damos importância quando é com alguém próximo da gente. Temos que lutar pelas doações, nós, como vereadores, através de campanhas, podemos nos unir”, disse.

Já o vereador Pastor Vanderly discursou sobre as doações realizadas nas congregações. “Sempre fazemos convocações para que as pessoas possam doar. Estamos próximos de realizar mais uma dessas convocações, levando as pessoas para realizar a doação. É muito importante fazermos essas ações”, afirmou.

A defesa da doação de sangue foi ressaltada pelo vereador Thiago Ferrugem (PR). “Sei que o assunto não foi exaurido, mas quero dizer da felicidade que tenho como parlamentar por estar aqui. Quero dizer que esta Casa está sempre à disposição. Sabemos que as barreiras existem, mas é necessário que encontremos soluções para que a população possa entender a necessidade das doações”, disse.

O vereador Fred Machado destacou que é preciso conversar com as famílias sobre esse assunto. “A forma mais concreta de conseguirmos propagar a necessidade da doação é com o próprio público que está aqui presente. É importante passarmos isso para a nossa família em nossas casas”, concluiu.

Concluindo a audiência, o vereador José Carlos falou disse que vai procurar as empresas de ônibus para que possam divulgar, através de adesivos, campanhas de doação de sangue. Também será realizada campanha de adesivação de veículos, para conscientização para doação de sangue, e a convocação dos municípios vizinhos para campanhas. O vereador ainda informou que será feita fiscalização da abordagem do tema nas escolas e nas agências transfusionais que devem funcionar nos hospitais.

*Por Lohaynne Gregório - Ascom Câmara Campos