Legislativo

Em cumprimento à Lei Complementar 141, artigo 36 parágrafo 5º, a Câmara de Vereadores de Campos realizou nesta segunda-feira (05) uma Audiência Pública para a apresentação Relatório de Gestão do 1º quadrimestre de 2017 da Saúde no município. A secretária de Saúde e também presidente da Fundação Municipal de Saúde, Fabiana Catalani, apresentou os dados.

Além do presidente da casa, Marcão Gomes (Rede), também estavam presentes os vereadores Enock Amaral (PHS), Cláudio Andrade (PSDC), Abu (PPS), Marcelo Perfil (PHS), Joilza Rangel (PSD), Cabo Alonsimar (PTC), Carlinhos Canaã (PTC), Genásio (PSC), o vice-presidente José Carlos (PSDC) e o líder do governo Fred Machado (PPS).

Abrindo sua explanação, a secretária explicou como seria o relatório. “A gente entende que a saúde é o conjunto da secretaria e da Fundação de Saúde, portanto vamos apresentar um relatório com os dois. Lembrando os números são divididos entre procedimentos e consultas, o primeiro constitui em exames, curativos e outros procedimentos que não são consultas. Dentro destes parâmetros, temos nestes quatros primeiros meses, 68.040 consultas e 1.315.504 procedimentos dentro da Atenção Básica”, disse.

Entre as ações envolvendo os hospitais contratualizados, Fabiana afirmou: “De média e alta complexidade foram 83.541 consultas e 1.357.813 procedimentos. Sendo que consultas de alta e média complexidade são aquelas de especialidades, assim como os procedimentos, esses números compreendem também os hospitais contratualizados. No período de janeiro a abril deste ano também foram realizadas 26 auditorias para averiguar diversas demandas”.

Também foram destaque os investimentos na área. “A receita de impostos líquidos da cidade é de R$ 54.021.833,62 e o percentual de aplicação em ações e serviços públicos de saúde chega a 65,99 %, bem acima do limite constitucional obrigatório de 15%. Esse é o primeiro quadrimestre, nós temos ainda muito a levantar e a fazer para que a gente consiga estar de mês a mês melhorando a qualidade da saúde de em nosso município”, explicou a secretária.

Presente durante a audiência, a superintendente de Vigilância Epidemiológica, Andreia Moreira, falou sobre um caso de meningite. “Nós detectamos que a criança não havia sido vacinada e estamos fazendo, além do tratamento dela, a medicação da família e de pessoas que tiveram contato próximo. Vamos fazer um mutirão em todas as creches e, a partir de então, não serão mais aceitas xerox do cartão de vacinação na matrícula, pois averiguamos que houve uma repetição do xerox de todas as carteiras para os irmãos desta criança”.

Ao final, o presidente da Câmara lembrou os hospitais inacabados. “Gostaria de lembrar que o governo passado fez empréstimos de mais de R$ 1 bilhão com os recursos dos royalties, com a alegação de que esse dinheiro seria para a conclusão das obras. E hoje estamos tendo que lidar com obras incompletas, sem saber onde esse dinheiro foi utilizado, além da divida com a Caixa Econômica Federal em virtude do empréstimo. É muito importante ressaltar essas informações”, concluiu Marcão.

*Por Vivianne Chagas - Ascom Câmara Campos